Uma alimentação adequada é aquela em que foca nos nutrientes. São eles que nos fortalecem e que mantêm vivas as células do nosso corpo. Os nutrientes são encontrados em uma alimentação balanceada e saudável, a base de alimentos frescos, naturais e orgânicos. Frutas, hortaliças, leguminosas, grãos, oleaginosas, sementes e especiarias são alguns exemplos de alimentos essenciais para a nossa rotina alimentar. Desta forma, nosso organismo consegue digerir e absorver os nutrientes destes alimentos, que além de nutrir, podem ajudar ainda na cura e prevenção de doenças. Quando estamos nutridos, não adoecemos e tão pouco fadigamos. Pelo contrário! Ganhamos em vitalidade, disposição e energia.

Comida de verdade é informação para nossas células, que vão ditar como nosso organismo deve se comportar: com saúde ou doença, energia ou cansaço, alegria ou tristeza. Os alimentos ditam a saúde do corpo, se vai ser doente ou sadio. As células serão informadas para reagirem dependendo do alimento que ingerimos. E uma alimentação saudável é capaz de diminuir marcadores inflamatórios, reparar DNA, diminuir radicais livres e isentar nosso corpo de doenças. Nossas células reagem conforme passamos informações para elas. E a boa notícia é que isso tudo só depende de nós, os detentores do poder do sim ou não à comida de verdade.

Quando não nos alimentamos de forma correta, através de alimentos industrializados altamente processados ou fast-foods, a taxa de açúcar no sangue aumenta (causando estoque de gordura e resistência a insulina, que é o hormônio mais importante para a captura do açúcar no sangue para enviar para as células usarem como energia); aumentam os níveis de TG (gordura circulante no sangue),  que pode se acumular nos órgãos como o fígado ou até mesmo ocasionar o entupimento da artéria; diminui a testosterona nos deixando com uma sensação de desânimo, além de contribuir para a redução da massa muscular; queda de cabelo; celulites demasiadas nas pernas, principalmente em mulheres; infertilidade; dentre outras.

Através da má alimentação, com o excesso de alimentos industrializados cheios de açúcar, sal e farinhas refinadas, as células vivem com fome e nos causam uma verdadeira compulsão por comida, porque a maioria desses alimentos acionam receptores opioides encontrados nos neurônios das zonas do cérebro, medula espinal e nos sistemas neuronais do intestino, causando mais fome e mais desejo por açúcar. Além disso, os alimentos industrializados possuem elevadas taxas de xenobioticos (corantes, acidulantes e conservantes) e contém sabores artificiais, com excesso de açúcar, que enganam nossas papilas gustativas, nos fazendo perder o paladar da real percepção dos sabores naturais dos alimentos, ocasionando um vício em alimentos com excesso de sal e açúcar. Nosso corpo entende esses alimentos altamente processados como calorias vazias – sem nutrientes – e acaba estocando como gordura ao invés de usar como energia e gasto calórico.

Se não cuidarmos do nosso bem mais precioso, que é o nosso corpo, nos alimentando corretamente, vamos ter uma velhice doentia, podendo adquirir as seguintes doenças metabólicas do século XXI: Diabetes tipo II, Obesidade, doenças cardiovasculares, Mal de Parkinson e Alzheimer. Além das doenças, o descaso com o nosso corpo pode ocasionar o envelhecimento precoce, com rugas, excesso de celulites, intestino preso, ansiedade, fome descontrolada, unhas fracas, queda de cabelo, mau humor, sobrepeso, alergias e depressão.

Quem são os nutrientes?

Quando falamos de nutrientes, estamos falando de macro e micronutrientes. Eles são essenciais para a nossa vida. Os macronutrientes são os carboidratos, proteínas e gorduras. Já os micronutrientes são vitaminas, minerais, fito químicos e fibras.

Carboidratos complexos, proteínas magras e gorduras saudáveis são essenciais para a nossa vida em proporções adequadas. Frutas, grãos e vegetais são fonte de carboidratos que o organismo converte em glicose para gerar energia; feijões, peixes e aves são fonte de proteína que nosso organismo converte em aminoácido para a construção muscular; castanhas, coco, abacate são fonte de gorduras boas que se convertem em ácidos graxos essenciais para absorção de vitaminas, minerais, produção hormonal e manutenção da saúde. É extremamente importante ingerirmos uma grande variedade desses alimentos para garantir o maior consumo de nutrientes possível. Afinal, nem todo alimento tem todos os nutrientes em sua composição.

Carboidratos: nossa maior geração de energia. Sem eles podemos nos sentir cansados, com falta de memória e ter compulsão alimentar. Nosso organismo precisa de carboidrato para ter energia e poder fazer tudo que gostamos. Eles contêm as vitaminas e minerais necessários para uma vida saudável. Os carboidratos saudáveis são aqueles mais próximo da natureza, como os grãos integrais (quinoa, amaranto, painço, sorgo, arroz, milho), hortaliças (folhas e legumes), frutas (todas), oleaginosas (todas as castanhas) e leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico, ervilha e soja). Estes são todos carboidratos complexos, ricos em fibras que ajudam a saciar e manter a saúde.

Fibras: são uma espécie de carboidrato complexo, encontrados em plantas como frutas, hortaliças e grãos. As fibras têm uma função reguladora, agindo em prol da saúde através da varredura de toxinas, diminuição de açúcar e colesterol sanguíneo. Além disso, ela é substrato (comida) para nossas bactérias boas do cólon e ainda reduzem o apetite. As fibras podem ser solúveis ou insolúveis e encontram-se na maioria dos carboidratos complexos, presente nas cascas e bagaços das frutas, hortaliças e grãos.

Fitoquímicos: são compostos fenólicos que conferem cor aos alimentos. Eles são nutrientes não essenciais, porém geram diversos benefícios para a nossa saúde, como: ação antioxidante que combate radical livre; anticancerígena, pois combate a proliferação de células mutagênicas; potentes anti-inflamatórios que ajudam a manter o organismo em equilíbrio.

Proteínas: importante para nossa estrutura corporal, constrói e repara os tecidos, inclusive o nosso DNA. As proteínas são compostas por aminoácidos, os quais alguns deles nosso corpo não consegue produzir. Desta forma, devemos consumi-los através alimentação para mantermos a saúde em dia. Na nutrição usamos o termo “proteína de alto valor biológico” quando essa proteína contém todos os oito aminoácidos essenciais para a vida. Elas estão, em sua maior quantidade, nos derivados animais, como carne, peixe, ovo e frango. No reino vegetal também temos proteínas, que são as leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico, soja e ervilha), as oleaginosas (amêndoas, castanha de caju, castanha do Pará, nozes, avelã, macadâmia e pistache) e também as sementes (girassol, gergelim, abobora, cânhamo, chia e linhaça). Essas proteínas vegetais, em conjunto, conferem perfeita saúde para aqueles que não desejam comer alimentos de origem animal.

As gorduras, ao contrário do que muita gente imagina, são fundamentais para a vida!

  • Ajudam a absorver as vitaminas lipossolúveis;
  • Fundamental para fluidez das membranas que são compostas por gorduras;
  • Aumentam a capacidade cerebral;
  • Fazem parte da produção de hormônios;
  • Ajudam na absorção de vitaminas;
  • Regulam o açúcar, níveis de colesterol e coagulação sanguínea;
  • Fornecem combustível ao longo do dia;
  • Impedem o ressecamento da pele;
  • Intensificam o gosto dos alimentos;
  • Melhoram a textura dos alimentos;
  • Ajudam as ervas e condimentos a liberarem seu sabor nos alimentos.

E quando falamos de gordura boa, é a gordura insaturada que precisamos consumir diariamente para garantir a saúde plena. Porém, existe uma gordura saturada que pode e deve ser consumida todos os dias: o óleo de coco.

A gorduras insaturadas normalmente são encontradas no estado líquido. Elas são classificadas como mono e poli insaturada, e ácidos graxos ômega 3.

Poliinsaturada: encontradas nas oleaginosas (castanhas em geral), sementes e óleos vegetais.
Monoinsaturada: encontradas nas oleaginosas, como também no abacate e azeite extravirgem.
Ácidos graxos W3: encontrados nos peixes gordurosos, como salmão selvagem (não de cativeiro), sardinha e em algumas fontes de proteínas vegetais, como as sementes de linhaça, chia, cânhamo, nozes e algas marinhas.

Vitaminas e minerais são compostos essenciais para o metabolismo humano e fazem parte de várias funções para que nosso metabolismo e organismo funcionem em perfeito estado. A ausência de vitaminas e minerais podem trazer inúmeros malefícios, como a depressão, por falta de vitamina D, e a falta de energia, por depleção de vitaminas do complexo B. Até mesmo as nossas maiores geradoras de energia, que são as mitocôndrias, existentes em cada célula, exceto células vermelhas, precisam de vitaminas para funcionar em seu melhor estado. Precisamos de vitamina C, vitamina E, betacaroteno, selênio, que compõem um exército de antioxidantes, protetores das nossas células contra danos, oxidação e de cascata de radicais livres.

A nossa hidratação, através da água, é tão essencial quanto a alimentação. Talvez seja o nutriente mais importante de todos. Ela constitui uma parte essencial das reações químicas que nos confere a vida. Ela ajuda a regular a temperatura corporal, refresca o sistema interno, transporta nutrientes até a célula, ajuda a eliminar resíduos e a transformar nutrientes utilizáveis para abastecer a vida. Água é vida! Nós, seres humanos, somos feitos de 50 a 70% de água. Ela é composta por duas moléculas de hidrogênio e uma de oxigênio, simples assim! O suficiente para valer metade do nosso peso corporal. A maior parte dessa água – 2/3 – é encontrada dentro das células, o outro terço está nos vasos sanguíneos, nos tecidos e órgãos do corpo. A água é o ingrediente mais importante para a vida. Portanto, nós que temos acesso a água potável, não podemos negligenciar esse nutriente tão importante para a nossa sobrevivência. A água é mais importante para a nossa sobrevivência do que a comida. Vivemos sem comida por um mês, mas sem água não duramos nem uma semana.